S’il Vous Plaît, La Liberté - Aliança Francesa de Belém

S’il Vous Plaît, La Liberté

Após dois meses de aulas, a professora Carmem Virgolino apresenta na Fête de La Musique 2019 uma cena teatral com as alunas Adriana Pires e Priscila Ferreira, resultado do curso "Teatro, Corpo e Poesia".

Publicado em 18/06/2019
Por Carmem Virgolino

 

"Encontro. Essa é a palavra que em síntese pode descortinar parte do pas à pas, do exercício cênico a ser realizado no próximo dia 19/06, no contexto da Fête de la Musique, como um experimento cênico fruto de dois meses de ateliê de Teatro, Corpo e Poesia na Aliança Francesa de Belém.

Se, encontrar-se é fazer convergir vários sujeitos em um mesmo ponto, uns perante os outros, umas com as outras, nesse tempo juntos, encontramo-nos, três mulheres, e nos colocamos em nossa prática, encenadora e elenco, num entre-lugar. Entre: duas linguagens distintas, o teatro e o francês como língua estrangeira, duas culturas em contato, a amazônida e a francófona, duas técnicas de teatro de terceiro mundo, o Teatro do Oprimido, de Augusto Boal e a Dramaturgia Pessoal do Ator, de Wlad Lima, o contato educadora/encenadora e educandas/ atrizes e, perpassando toda essa dialogicidade a temática do feminismo, tão atual e urgente, perante a conjuntura política de governos de ultra direita que pretendem retroceder na conquista de direitos civis.

Partimos então da potência do encontro entre três mulheres, acreditando em consonância com o pensamento feminista, que acontecimentos da vida privada são políticos, na medida em que a maioria dos casos de abuso contra mulheres acontecem justamente em ambientes familiares e de relacionamentos afetivos. Nossa cena pretende, então, gerar diálogos sobre essa questão, através da linguagem do teatro, certas de que o feminismo não é só para feministas é um processo de reconstituição de uma sociedade mais igualitária e baseada em um bemviver. Envolvendo línguas distintas pra compor a linguagem do teatro pósmoderno, a qual nós propomos, apresentaremos ao respeitável público presente na Aliança Francesa nesta próxima quarta, um recorte sobre uma das problemáticas, que mulheres sofrem dentro de relações patriarcais, nas quais o ideal de amor romântico atua como braço de manipulação para perpetuar situações de opressão.

Nossos laboratórios pré-expressivos se fizeram antes no experimento físico, busca pela desmecanização do corpo e da produção de um conhecimento sobre nossas realidades a partir de um sentipensar que se elabora na poesia, considerando emoção como parte significativa de qualquer processo cognitivo, sobretudo o da experiência teatral. Além da base corporal, dialogamos com inúmeros poetas poetisas de língua francesa e os trazemos como parceiros poéticos na constituição da cena. Houve aqui uma preocupação em destacar a importância de escritoras francófonas das antigas colônias, como Marguerite Duras e Emmelyne Octavie ou uma voz feminina francesa desobediente como Edith Piaf, com intuito de além de abordar pautas feministas também destacar a tensão existente quando a categoria gênero é atravessada por interseccionalidades como raça e classe social, categorias que agravam as situações de sexismo e exploração que as mulheres vivem: o experimento cênico traz a tona uma situação de abuso vivenciada por uma garota romântica dentro de uma relação heteronormativa abusiva, daí o nome da cena S’il Vous Plaît, La Liberté.

Na crença ainda de que o conhecimento se produz de forma coletiva e a arte é uma forma de produzir conhecimento sobre a realidade, agradecemos a participação especial do ator e musicista Thales Branche, parceiro colaborador em diversos processos poéticos a consultoria de iluminação para a cena de Malu Rabelo e a criação do vídeo poema, que também compõe a cena, por Carol Abreu. As alunas atuantes Adriana e Pricila que se lançaram nesta aventura poética!

Vale frisar, que este trabalho também é um experimento que se faz como dobra, da pesquisa de doutorado em andamento que vem sendo realizada no Programa de Pós-graduação em Artes, pela encenadora e pesquisadora Carmem Virgolino, sob a orientação da prof doutora Gisele Guilhon. Teatro é revolução! Vous êtes tous les bien-venus!"