O mês do documentário em Belém - Aliança Francesa de Belém

O mês do documentário em Belém

A Aliança Francesa de Belém apresenta de 1 a 29 de novembro, em parceria com a UFPA e o Cine Olympia, o mês do documentário.

 

O mês do documentário é um evento promovido pela "Images en Bibliothèques", Associação Nacional das Mediatecas pelo Cinema e Audiovisual.

A associação francesa faz um convite a todas as instituições culturais, educativas e sociais que desejem promover o cinema documentário para o grande público. Mais de 2.000 instituições ao redor do mundo participam desse projeto comum e organizam as projeções, que são geralmente acompanhadas de encontros, exposições, ateliers, colóquios, concertos.


Programação do mês do documentário em Belém:

 

UFPA - Auditório Paulo Mendes

 

01/11 (quarta -feira ) - 16h30

A Escola de Babel / La Cour de Babel, de Julie Bertuccelli.

(Ano: 2013. Duração:1h14)  

Sinopse: Em uma escola secundária no 10º distrito de Paris, existe uma turma de adaptação onde alunos imigrantes entre 11 e 15 anos de idade aprendem as primeiras lições de francês. Algumas dessas crianças recém-chegadas conhecem poucas frases na língua do seu país de adoção, outras não sabem falar palavra alguma.  

 

17/11 (Sexta-feira ) - 13h30

Swagger, de Olivier Babinet.

(Ano:2016. Duração: 1h24)

Sinopse: Um documentário "teen-filme" que nos transporta para dentro das mentes surpreendentes de onze adolescentes que crescem em um dos bairros mais desfavorecidos da França. Apesar das suas dificuldades na vida, as crianças de Sevran e Aulnay têm sonhos e ambições.  

 

22/11 (Quarta-feira) - 18h00

As pepitas  Les pépites, de Xavier Lauzanne.

(Ano: 2016. Duração: 1H28)   

Sinopse: Hoje, eles têm 25 anos e terminam seus estudos ou começam a trabalhar. Todos eles, como crianças, tiveram que procurar, para sobreviver, no despejo ao ar livre de Phnom-Penh, no Camboja. Aqui é onde Christian e Marie-France, alguns viajantes franceses, encontram-se há mais de vinte anos. Eles decidem lutar sem limites para tirar essas crianças desse inferno.  

 

29/11 (Quarta-feira) - 13h30 

A socióloga et o ursinho / La sociologue et l’ourson, de Etienne Chaillou e Mathias Théru.

(Ano: 2016. Duração:1h18)   

Sinopse: De setembro de 2012 à maio de 2013, a França se mobiliza sobre o projeto de lei do casamento para todos. Durante esses nove meses de gestação legislativa, a socióloga Irène Théry conta a seu filho as apostas do debate. Dessas conversas nasce um cinema de ursos de pelúcias, de brinquedos, e de pedaços de papelão. 

 

Cinéma Olympia

“Centenário Jean Rouch”

 

09/11 (quinta-feira ) - 18h30 

12/11 (domingo) - 17h30

Eu, um Negro / Moi, un Noir, de Jean Rouch.

(Ano: 1959. Duração: 1h13)

Sinopse: Jovens nigerienses deixam sua terra natal para procurar trabalho na Costa do Marfim. Desenraizados em meio à civilização moderna, acabam chegando a Treichville, bairro operário de Abdijam.  

 

10/11 (Sexta-feira) - 18h30

Les Veuves de quinze ans, de Jean Rouch.

(Ano:1967. Duração: 0h25)

Sinopse: Olhar sobre a sociedade parisiense através do comportamento de duas jovens garotas. Uma séria, a outra não.

 

Mosso, Mosso, de Jean Rouch, Jean-André Fieshi.

(Ano:1998. Duração: 1h13)

Sinopse: Este encontro com Jean Rouch cabe na exatidão do "como se", no qual se evoca o que se tornou para ele uma regra de vida e de cinema: "Ao se fazer ‘como se’, se está muito mais próximo da realidade". Jean-André Fieschi consegue abarcar o homem e seu método. Rende-se, aqui, uma homenagem emocionante imbuída do espírito do cineasta.   

 

11/11 (sábado) - 17h30

15/11 (quarta-feira)  – 18h30

Crônicas de um verão / Chronique d'un été, de Jean Rouch.

(Ano: 1960. Duração: 1h30) 

Sinopse: Durante o verão de 1960, o sociólogo Edgar Morin e Jean Rouch pesquisam sobre a vida cotidiana dos jovens parisienses para tentar compreender sua concepção de felicidade. Durante alguns meses este filme-ensaio segue, ao mesmo tempo, tal enquete, e também a evolução dos protagonistas principais. Finalmente, o grupo interrogado durante a enquete se reúne em torno da primeira projeção do filme acabado, para discuti-lo, aceitá-lo ou rejeitá-lo. Com isso, os dois autores se encontram diante da experiência cruel, mas apaixonante, do "cinéma-vérité", ou seja, do cinema-verdade.


Em parceria com:

 I FESTIVAL DO FILME ETNOGRÁFICO DO PARÁ               

MIS – Museu da Imagem e do Som

MINICURSO "Revisitando Jean Rouch no ano do centenário de seu nascimento"

Ministrante: José da Silva Ribeiro

Mini Auditório – 09 a 11/11 – 9h às 12h.